quinta-feira, março 31, 2005

manelelé

ridículo.

agora vem sendo a hora dos benfiquistas – é raro estarem em alta e a vantagem momentânea torna-se febril (vide o pentacampeonato ganho entre a 4ª e 8ª jornadas…). o mais recente delírio a roçar a estupidez humana foi a manchete do jornal “a bola” de 28 de março, esse pravda do benfiquismo.

a instituição vangloria-se com a taça de portugal – é normal. seguem as pisadas de clubes com a sua dimensão como o estrela da amadora ou farense, que também fazem da fruteira o grande troféu da época. com o cheiro da liderança nesta mini-liga, nunca sentido neste século e há muito arredado nesta década, as patetices aumentam. o desprezo, a dor que tanto me diverte e a inveja benfiquistas com a taça uefa diz tudo – ao ponto de chamarem ao cska (equipa em ritmo de pré-época que humilhou a instituição…) uma das melhores equipas da presente edição…

o problema é que o benfiquista médio (a maior fatia desses tantos milhões que vão atrasando o país…) não sabe, mas o ridículo mata. e vai matar – este pobre mini-líder desta pobre mini-liga ainda não topou a palermice que é toda esta história do manuel fernandes.

“a bola” pede-lhe com urgência uma alcunha – manelelé. os benfiquistas, com todo o seu coração em tremor, chamam-lhe “manelito”… já tentaram até ir buscar a escola da instituição, num “tour de force” novamente ridículo: chamar escola a jogadores tão medíocres como vilela, curto ou joão pereira é de chorar as pedras da calçada.

figo, quaresma, cristiano ronaldo (só alguns para não humilhar os benfiquistas) nunca tiveram alcunhas. nem dos sportinguistas nem de “a bola”… simão, o transmontano, tem algumas: suinão sabrosa é a favorita para lembrar ao craque da selecção e do barcelona (por que será que não se impôs nestas duas grandes equipas?...) que bem tentou ser ele o pai da mariana no meio daquele balneário…

convém dar tempo aos craques do alguidar da luz – é que há quem se lembre dessas pérolas chamadas pêpa, mawete júnior, geraldo, bruno aguiar, veríssimo… são da melhor casta!

post – os dois golos do manelelé foram deliciosos. agora só falta experimentar com um guarda-redes na baliza…

post II – mais um. outro considerado arguido na comissão de arbitragem da liga. cunha LEAL-à instituição já treme. e diz: “não faz nenhum sentido, nem é necessário, um processo eleitoral para a comissão de arbitragem, ainda por cima numa altura em que o campeonato está a atingir uma fase crucial”.

adenda: “aqui ninguém janta nem lancha com árbitros e se quiserem podem ver as facturas dos últimos cinco anos…”. pois – e a instituição lá esfrega as mãos com a corrupção galopante. é só chegar ao alguidar da luz e o senhor do alverca mais o doutor da casa da “famiglia” de luxemburgo vão parar ao xilindró (mais um lá para dentro, já que a família benfiquista já está habituada às grades… da prisão e de cerveja).

post III – seguir-se-á daqui a uns dias um post com a árvore genealógica benfiquista. com direito a bolinha no canto do monitor, claro!

quarta-feira, março 23, 2005

Aves Raras

As aves de capoeira são, por norma, aves menores. São parcas em inteligência, não têm habitat natural e vivem onde os donos as querem. São, aliás, as únicas que agradecem o facto de ter dono. Não se pode dizer que haja, muitas espécies de aves de capoeira. O porco, mesmo que se chama Abel, o cão, mesmo que se chame bobi, e o gato, mesmo que se chame tareco, não são aves de capoeira.

Aves de capoeira são as galinhas, os patos, os perus e seus derivados.
Se por norma e na sua plena maturidade todas são aves menores, não é por acaso que quando se está com alguém menos dotado em matéria de massa cinzenta se diz ser o cérebro desse alguém, do tamanho de uma galinha.
E se assim é, imaginem o cérebro de um pinto.

Um pinto, quando é pequenino, chama-se pintainho. O pinto ou pintainho mais famoso do mundo é – ao contrário do que estão a pensar – o Calimero. Andou não sei quantos anos a fazer-se de vítima e, à conta da boa fé de terceiros, a ser beneficiado em todas as provas em que participava. Provas, neste caso, quer apenas dizer desafios que a vida nos coloca e não quer dizer campeonatos, taças e coisas semelhantes, nas quais os pintos também participam.

Ora, há histórias em que o dono do pintainho vive na montanha, outras no vale e outras, ainda, na costa. Diz-se, mas não sei se é verdade, que os pintainhos de montanha e vale, quem sabe se por não comerem ração, são mais tenros. Os da costa comem rações, saem à noite, assistem a coisas que só as cidades proporcionam e depois, bem, depois, a pouca inteligência que lhes sobra dá-lhes para a maldade e para o fingimento. Os pintainhos da costa quando crescem passam a chamar-se pintos da costa. Se os deixam crescer muito passam a chamar-se galos ou galinhas, mas sempre da costa.

Espero que percebam e considerem este post como uma dissertação sobre a fauna doméstica e apenas isso. Os pintainhos da costa quando chegam à idade de casar – se não são homossexuais – escolhem para parceiras certas pintainhas. Mas o mais curioso é que há pintainhos de muitas cores. Há brancos, pretos, amarelos, azuis (?) e há pintos dourados.
Todos da costa, claro.

rumo ao título

a melhor equipa em portugal, com o melhor ataque do campeonato (52 golos), com o melhor marcador da prova (21 golos), com o melhor jogador de toda a temporada (liedson) e que melhor futebol pratica neste país derrotou o campeão do mundo e está embalada rumo ao título.

o sporting está apenas a 3 pontos do mini-líder (o jogo no alguidar da luz é o mais fácil nestas oito jornadas...) e a viagem ao bessa na próxima semana é o último obstáculo no caminho do título. segundo josé mourinho disse ontem na sic, a instituição é quem mais merece vencer a mini-liga porque é o clube mais pobrezinho, mas que não acredita que o consiga - "não tem equipa para isso"; "não tem equipa para mais", balbuciou o melhor treinador do mundo...

o sporting bateu todos os candidatos como quem-limpa-o-rabinho-a-meninos:

1. "la famiglia" encaixou a primeira derrota fora do estádio do ladrão, por números escassos dado o festival de golos desperdiçados (2-0)
2. o boavista foi goleado sem apelo em alvalade (6-0)
3. o sp. braga perdeu 1-0 (ou aquele golo do hugo viana, que parte quase do meio-campo, foi considerado fora-de-jogo?)
4. a instituição levou um banho de bola no estádio escolhido pela uefa para albergar a final da taça uefa (2-1, apesar de ter jogado meia-hora com mais um jogador...)

ou seja, a inconstância do MAIOR é nos jogos com os mais pequenos (a apaf e a liga de clubes).

o jogo em alvalade com a "famiglia" caiu mal para o mini-líder instituição, que retirou daqui o segundo pior resultado possível - o empate seria o melhor. o sporting foi sempre melhor que a "famiglia": mas aqui conseguiu aquela imparcialidade que nunca teve nos "clássicos" com os dragões.

confissão: antes de ir ao jogo disse a o "glorioso" que não me admiraria nada se o sporting fosse beneficiado - à apaf interessava que a "famiglia" não ganhasse para não ficar a três pontinhos da sua querida instituição... cheguei a dizer a amigos meus que o sporting iria ganhar com um penalti e "la famiglia" reduzida a dez jogadores - falhei por pouco! nunca vi a "famiglia" sair de alvalade com duas expulsões e um penalti contra: é inédito. mas quando em jogo está beneficiar a instituição...

nós somos a tua voz
traz esta vitória
conquista-a por nós
allez sporting allez

(o espectáculo cénico ontem em alvalade foi de arrepiar - lindo!)

post - lamento ter de o dizer, mas a expulsão do mccarthy é justa - qualquer agressão (exceptuando as do petit...) tem de ser punida e o sul-africano, com um cadastro já grande neste capítulo, deu uma cotovelada no rui jorge. bem mostrado o vermelho e bem dados os três jogos de suspensão.

post II - seitaridis tirou o pão da boca de liedson. era golo certo do melhor avançado da superliga - nem sequer baía estava lá, substituído por jorge costa que, como se sabe, não pode usar os braços nem as mãos dentro da área. este privilégio cabe somente a ricardo rocha...

post III - a melhor, maior e mais antiga claque do país deu mais uma lição de festival. a juve leo faz jus ao mais conhecido cântico mundial - "só eu sei..."

post IV - e joão moutinho?... mais um grande jogo (não é nenhum paulo almeida ou manuel fernandes...). já o querem na selecção principal.


adenda - “por vezes falamos para a imprensa e aparece outra coisa escrita. é verdade que falei que o mercado italiano e espanhol era bom, mas a prioridade é o sporting. fico no sporting até quando me quiserem”, liedson arantes do nascimento, no final do jogo contra a "famiglia"

liedson oh oh
liedson oh oh oh
ele vem do supermercado
ele é um bom empregado

(cântico oficial)

LIEDSON RESOLVE

segunda-feira, março 21, 2005

O rapaz do supermercado

A história do rapaz começa coma a chegada a esse país com a mesma língua, um pouco mais fria que a sua terra natal.
Chegava com a missão de fazer esquecer um rapaz que tinha andado a marcar golos em fartura, e que tinha degenerado para locais menos recomendáveis, e para líquidos menos adequados, tendo com isso, posto em causa toda uma carreira auspiciosa que tinha feito ao longo da sua carreira.

Mas, o tal de distribuidor de supermercado, franzino, fraquinho e com pouca altura, até começou bem, e os seus acólitos lá começaram a aparecer com uns cartazes a lembrar que o rapaz também resolvia.
Só que o rapaz começou a não gostar que não lhe pagassem ao primeiro de cada mês, como qualquer assalariado gosta.
Assim, lá foi passear para a sua terra, e ficou mais uns dias a beber umas aguinhas de coco, com a desculpa na gravidez da sua esposa.
Era definitivamente o seu primeiro grito de ipiranga, alertando para o seu descontentamento pelo seu patrão.

Mas, apesar de tudo, o rapaz lá conseguiu a paz novamente porque até resolveu no derby tão famoso da cidade onde vive.
O descontentamento, esse não desapareceu, e o rapaz começou a ficar depressivo, e para agravar começou a não resolver.
Para agravar, o rapaz decidiu que chegara a hora de fazer como o seu antecessor e partiu para a tão famosa campanha de colocação num qualquer lugar mais famoso que o seu actual local de trabalho.
A desculpa aprendeu-a com o antecessor, a selecção, como se isso fosse a causa maior.
Chegada a hora, e a poucas de um jogo importante, o rapaz lá deu uma entrevista no seu país, tendo a mesma, como o próprio não esperaria (ou se calhar até esperaria), tido maior repercussão no país onde anda a passear do que no país, que possui mais jogadores com a sua categoria, que os habitantes da cidade onde vive.
Mas não custa sonhar, já dizia o poeta, e o rapaz lá pôs em verdadeira depressão todos aqueles que empunhavam o tal cartaz, e que cada vez mais, aparece exposto ao vento.
A história repete-se, e das duas uma, ou o rapaz encaminha-se para caminhos menos recomendáveis, ou viaja ao destino que tanto ambiciona.
É a triste realidade de alguém que trabalha em clubes de menor dimensão como os próprios o auto-denominam.

Post I – É impressão minha, ou existem jogadores brasileiros em Portugal que são chamados à selecção. Existe até uma tal de torre gémea que é tão mauzinho (como alguns dizem) que continua a merecer a confiança de Parreira.

Post II – Vir falar da expulsão do Veríssimo como se de uma traição romana se tratasse só mesmo na cabecinha conspiratória do meu amigo travassos. Ficamos também a saber que quando não existe qualquer lance para criticar o árbitro (o que existia era a favor, portanto nem se fala), então falemos de traições, tragédias e afins. Nunca pensei que a tua imaginação chegasse a tanto, mas pronto…

veríssimo

é triste notar que há corrupção activa no futebol – é vê-la, de forma gritante, nos domínios da arbitragem e dirigismo portugueses. as relações promíscuas entre os homens do apito e as casas de alterne e as oficinas de pneus de alverca são evidentes.

mas o que entristece também é a corrupção passiva. exemplo desta foi o que se passou no passado sábado em setúbal. e tem um nome: nélson alexandre silva veríssimo. este senhor não entra nos “delírios” de chalana (ao que ele carinhosamente dá o nome de “desestabilizações televisivas”), mencionados no post mais abaixo neste blogue: aqui, este simpatizante pela causa perdida benfiquista, chega ao ponto de ver um penalti sobre geovanni – normal para quem assiste às palhaçadas de karadas – chegando ao topo da insanidade apelando a uma vingança inquisitorial aos senhores da tvi porque se enganaram nas estatísticas dos cantos…

chalana acha estranho ter aparecido nas estatísticas do jogo 10 cantos a favor do vitória. qualquer ser humano com dois dedos de testa – poupo aqui os símios que, com algum esforço, também chegariam lá – conseguiria ver que houve um erro. pois em dez minutos nenhuma equipa (nem o superofensivo sporting) consegue atingir tal registo… mas chalana, ébrio com a história do título que a apaf e a liga lhe andam a alimentar, nem sequer perdoa terem dado um golo ao jorginho em novo erro da régie. esta mistura de cantos e golos sadinos cheira a conspiração.

agora, veríssimo, ex-jogador da instituição – produto das camadas jovens, viria a jogar dois anos nos séniores com a camisola benfiquista – e, mais tarde, cedido ao alverca, tornando-se um assalariado directo de luís filipe vieira durante quatro anos, ter escancarado de forma grotesca as portas à vitória da instituição (até aí estavam a levar o banho de bola habitual…) no jogo de setúbal já não é mencionado no relatório de chalana.

pior: chalana chega a referir as lesões do sporting como algo propositado tendo em vista o jogo com a "famiglia". esta corrupção passiva (activa e actuante no campo de jogo de veríssimo) chalana já acha normal…

factos: veríssimo tem um apreço especial pela instituição. é normal: estreou-se como profissional na I divisão com a camisola encarnada vestida – frente ao desp. chaves no dia 9 de março de 1996. o seu clube, na altura como agora, até ganhou. este sábado a data feliz quase coincidia: nove anos e picos depois desse momento áureo da sua carreira. a retribuição veio dos seus pés e mãos: com os membros inferiores ofereceu a bola a simão (talvez um ídolo recente); com os superiores ofereceu-se a si mesmo o mais alto plano nas tragédias gregas – a saída de cena, com uma expulsão carregada de vermelho e de simbolismo.

a entrevista na véspera do jogo a dizer bem de couceiro - seu treinador nos tempos do alverca e, mais recentemente, no vitória - fez lembrar brutus e a mais vil das traições romanas. até tu veríssimo... soltou josé rachão num último estertor. mas chalana decidiu absolver barrabás e crucificar a tvi...

termino com uma citação de orwell:

"aqui, de facto, encontrei uma barreira intransponível. porque não há sentimento de simpatia e antipatia tão fundamental como o sentimento físico. o ódio racial, o ódio religioso, as diferenças de educação, de temperamento, de intelecto, até diferenças de códigos morais podem ser ultrapassadas; a repulsa física não." repulsa física é o que sinto por este campeonato, pela instituição e pela "famiglia"...

post - chamar "remate estrondoso do manelito" a um frango do futuro guarda-redes da "famiglia" é ridículo. o diminutivo ao nome do jogador parece-me correcto; a hipérbole ao remate não.

post II - e assim vai a mini-liga da batota...

post III - sobre a taça uefa e o cska ou o middlesbrough não falo com benfiquistas. metem-me pena...

domingo, março 20, 2005

A pergunta da noite no Aeroporto.

Força! Beenficaaaa!
És a equipa mais forte
Mesmo que percas o jogo
Não percas a tua glória.

A pergunta que se colocava esta noite no Aeroporto de Lisboa era:

Por quantos o Benfica ganhou?

A isto chama-se confiança! Fé!

A desestabilização televisiva...

Começou a tentativa de desestabilização à equipa encarnada.
E o seu início começou hoje nos ecrãs de televisão de todos os portugueses.
Senão vejamos:

12 Minutos de jogo, a primeira grande estatística da noite: 10 cantos para o Setúbal 2 para o Benfica. Para agravar, o jornalista colabora e afirma que os 10 foram feitos nos primeiros 11 minutos. Afinal, o Setúbal só tinha 3.
15 Minutos – Penalty claro sobre Geovanni, mas sobre este tema nem vale a pena falar, porque depois da declaração de PC ontem nessa terra tão famosa, chamada de Resende, tudo passará a ser possível.
40 Minutos – A TVI faz algo extraordinário. Afinal, Jorginho tinha marcado pelo Setúbal e ninguém deu por isso.
Azar! Dois minutos depois num remate estrondoso do Manelito, e o Benfica passava a ganhar.
Quantas faltas sofreu Simão sem serem assinaladas? Perdi a conta.
Quanto ao jogo, mais uma vitória de uma equipa que cada vez mais, se mostra unida, forte e cm vontade de serem realmente heróis como fiz LFV.
Trap começa a calar alguns, que tanto o contestaram ao longo do ano.

Agora que venha o Marítimo, e mais uma vitória, porque começa a ser possível….

Post I – Alguns sportinguistas preferem perder segunda-feira com o Porto, para a pressão sobre o Benfica ser maior, e poder o Porto conseguir ainda alcançar o título.
Nem comento, mas é interessante a onda de lesões no meio campo sportinguista.

Post II – É interessante que o travassos que tanto falou da pré-época do Cska, não tenha vindo na quinta-feira falar da meia equipa titular, que o Boro deixou em casa, lesionada.

Post III – Caro Zé do Boné, permite-me que discorde das tuas justificações. Primeiro, não falemos de pontuação, porque então teríamos que começar pelos anos 60, passando pelos anos 80, e chegávamos à conclusão que durante anos, os clubes portugueses jogar à sombra da pontuação das finais vencidas do glorioso. E o que é ganharam com isso?
2- Quanto à sobrecarga, caro Zé, esqueceu-se do ano passado? Sentiu alguma sobrecarga no ano transacto? Ganhaste tudo, à excepção da taça, e ainda puseste meia equipa na selecção numa forma física extraordinária.
3- Como tu escreveste e bem, o problema deste ano, não é nem de perto nem de longe um problema de sobrecarga física, porque ela nunca existiu, a forma, claro!

sexta-feira, março 18, 2005

o único

já está!

o sporting está nos quatros-de-final da taça uefa - passaram 14 anos desde a última vez. nada de novo esta noite: o middlesbrough foi ultrapassado sem pressas e com toda a vulgaridade a que os "leões" reduziram o adversário. o vencedor da taça da liga inglesa em 2004 (o seu sucessor é, agora, o chelsea) levou uma lição de futebol no riverside stadium e voltou a provar do mesmo com o imenso respeito com que entraram em alvalade.

as exibições do sporting nesta prova europeia vieram mostrar que em competições apitadas por árbitros estrangeiros os "leões" não dão hipótese. já na superliga...

por isso, talvez, o sporting seja o único clube português nas competições europeias. dá-se melhor com os árbitros fora do círculo da corrupção e dos amigalhaços da liga e da apaf.

mais uma grande noite europeia. agora venha o cska - esse, segundo os amigos benfiquistas, é um verdadeiro colosso mundial do futebol ao contrário do middlesbrough que não joga nessa competitiva liga russa... apesar de estar em pré-época e de terem jogado a mil quilómetros de moscovo e dos seus adeptos quando brincaram com a instituição (2-0 e 1-1). já o "boro", a massa benfiquista tende, de forma pusilânime, a desprezar - como o fizeram com o feyenoord (chamar coxos aos vencedores da taça uefa de há três anos não será excessivo?).

é engraçado reler os comentários e ver os prognósticos dos lampiões lançados neste blogue uns posts mais abaixo: há uns que vaticinavam a eliminação no jogo de roterdão; outros, antes do primeiro jogo com o "boro", faziam vudu e adivinhamvam o pior... e amanhã, depois do sorteio, que sinais ditarão os deuses?... coitados :(

estamos sempre convosco,
não vos deixaremos mais!

força sporting allez

a dedicatória - esta foi a eliminatória barbosa. o grande capitão mostrou o que é liderar uma equipa. foi assim em roterdão e em inglaterra. vivó capitão barbosa!

os adversários possíveis:

villarreal ou steua bucareste
newcastle
alkmaar
cska
auxerre
parma
austria viena


post - dois anos fora da europa. muitos anos a humilhar o nome de portugal, eis a instituição.

quarta-feira, março 16, 2005

Do Nacional a San Siro

Está na moda dizer que o ciclo do FC Porto chegou ao fim. Mas a verdade é que o ciclo do FC Porto chegou ao fim algures entre o final da época passada, com a saída de José Mourinho, e o início desta, com o mau planeamento da presente temporada. A eliminação na Liga dos Campeões é, para mim, algo natural e só acho admissível a desilusão pelo facto de o Inter também não estar em grande momento. Mas pergunto: quantas vezes uma equipa portuguesa chegou aos quartos-de-final da Liga dos Campeões? Poucas, muito poucas, para se fazer este drama sobre a eliminação.

É claro que o discurso tem de ser diferente quando falamos do campeonato nacional. Aí sim, justificam-se as parangonas. O FC Porto investiu muito, contratou vários jogadores e joga muito mal. A derrota por 4-0 com o Nacional talvez até surpreenda por acontecer tão tarde. É que eles estavam mesmo a pedi-las a jogar daquela maneira. Já disse e repito: os grandes culpados são os administradores da SAD. Deitaram fora a fórmula vencedora de dois anos (aposta em jogadores portugueses ou com experiência na Europa) e fartaram-se de contratar, contratar, contratar… metendo dinheiro no bolso dos empresários e deles próprios. Parece que os administradores receberam um prémio pelos bons resultados financeiros do último exercício. Pergunto: pagaram alguma coisa nos consecutivos anos em que houve prejuízo?

P.S. Chalana dou-te duas razões para torcer pelas equipas portuguesas nas competições europeias: 1) foi graças aos resultados do FC Porto que este ano e no próximo três equipas vão à Liga dos Campeões 2) Uma equipa estar envolvida nas competições europeias é bom para os adversários no campeonato nacional, porque há uma maior sobrecarga de jogos (exemplo: o FC Porto só perdeu o hexacampeonato porque chegou aos quartos-de-final da Liga dos Campeões e desviou a atenção do campeonato).

terça-feira, março 15, 2005

Chauvinismo Bacoco

Existe há muito tempo neste país, o que chamo de chauvinismo bacoco.
Quando existem jogos para as competições europeias, é ver todos os dirigentes, opinion makers, jornalistas desportivos, políticos e afins, virem desejar o máximo de sorte aos seus rivais nos jogos das competições europeias.
Dizem eles, que é para o bem de Portugal, para o bem do nosso futebol.
E pergunto eu, será que é assim tão bom?

Ora vejamos, o que o país ganhou ter um campeão europeu, um campeão mundial, vencedor da UEFA e afins, nestes dois últimos anos?
O que ganhou o país com o Benfica a chegar a Milan, no ano passado, e espetar três em San Siro, apesar da eliminação?
O que ganhou o país, com a carreira que o Sporting está a fazer, até ver, na Taça UEFA, este ano?
Rigorosamente nada!

Continuamos a ter um campeonato de trazer por casa, cheio de brasileiros à procura de bons ordenados, e como ponte de fuga do seu país cada vez mais raptado.Continuamos a ter um campeonato com equipas a lutar pelo ponto, e sem qualquer competitividade.
Continuamos a ter equipas sem pagar ao fisco, com contratações milionárias de jogadores medianos, com as suas Sad´s cada vez mais penhoradas.

Mais, com o Euro conseguimos ter óptimos estádios, para assistir a péssimos espectáculos (será que podemos os chamar assim?) de futebol, a preços aberrantes, e com assistências de fazer inveja às distritais espanholas.

O que mais me espanta neste chauvinismo bacoco, é ver pessoas que na semana anterior gozaram, guerrearam ou disputaram as vitórias das suas equipas sobre os rivais, e na semana seguinte (por vezes, no dia seguinte às vitórias) vêem apelar ao patriotismo para desejar felicidades nos jogos europeus.
A existir patriotismo, o mesmo só tem as cores da Selecção nacional.

Nunca fiz, não faço, nem nunca farei, mesmo que no futuro possua alguma importância para ser ouvido num qualquer órgão, deste chauvinismo bacoco.
Tanto me faz se ganham ou perdem, tanto me faz se são campeões ou não.

Sou do Benfica e só sou do Benfica.

Não consigo festejar um golo de uma qualquer outra equipa que não seja o Benfica em jogos europeus.
Os outros provavelmente festejam os golos dos rivais na Europa, da mesma forma que festejam os golos das equipas que a nível nacional, marcam aos seus rivais.
Incoerência!

Podem chamar-me o que quiserem, não é falta de patriotismo, é apenas, na minha modesta opinião, COERÊNCIA.

Post I – O Inter dá três ao Porto hoje, e na Quinta o Sporting dá três aos toscos e velhos do Boro.

A justificação para a frustação que eu já esperava...

Não era um post que eu não esperasse, aliás estava à espera do mesmo há algum tempo.
Chegou esta semana, como podia ter chegado na semana passada, ou na próxima semana.
Mas, chegou nesta e portanto é nesta que falamos.

Já muito se falou sobre este campeonato nacional (ironicamente chamada de Super Liga). Uns dizem que está para melhor, que está mais competitivo, outros falam em mediocridade, ou seja para pior em termos competitivos.
É verdade que este campeão está abaixo do previsto, é verdade que não está mais competitivo, porque para o estar não é apenas necessário as equipas médias estarem ao pé dos favoritos, porque isso não significa mais pontos que os anos transactos.
Para além desta questão pontual, temos a qualidade de jogos que se mantêm a um nível sul-americano, com agressões, cotoveladas e pouco futebol.

Competitivo seria se o Penafiel, o Nacional ou o Beira-Mar (equipas que derrotaram os três grandes na sua própria casa) jogassem ao ataque, o jogo pelo jogo, e não fizessem aquele belo futebol que há anos vamos vendo nos nossos estádios, ou seja, o empatar tempo para o pontinho, e depois tentar a sorte num lance de contra-ataque ou num qualquer lance fortuito que lhes concede a vitória nos referidos jogos.

É verdade que os três grandes estão abaixo das dos resultados anteriores (à excepção do Benfica), mas isso não é um problema deles? Ou a culpa agora é dos outros?
E sobre o Benfica, apenas uma clarificação, para quem já se esqueceu foi por esta altura, que no ano passado, e depois da eliminação em Milão, que o Benfica arrancou para uma recuperação espantosa, tendo roubado o lugar ao Sporting. Portanto, é melhor não fazer comparações.

Finalmente, acho extraordinário que alguém que considera a sua equipa como a Maior, os melhores do Mundo, que possui os melhores centrais do Mundo (veja-se o careca) em comparação com as torres gémeas de outros, que possui o Sr. Resolve (que quando não marca para o campeonato, não ganham), venha agora falar em campeonato da mediocridade. Todos sabemos porque é, mas esquecerá vexa, que quando foi campeão ao fim de 18 anos, ganhou jogos nos últimos minutos com livres de André Cruz, a cobrar faltas sobre um tal de Acosta (algumas delas duvidosas).

Como é possível, que falem agora de mediocridade, quando têm a equipa que mais joga à bola, que mais cantos marca, que mais faltas cobra, que mais ataques faz, que mais golos marca, que mais posse de bola possui, que offsides possui, que mais…, que mais…
Agora é o da mediocridade.

E se forem campeões? Ainda o podem ser, não se esqueçam (apesar de eu achar difícil).
Ainda já não será da mediocridade? Ou será como o campeonato do luto? Aqueles em que foram campeões.

Post I – Entendam-se rapazes, até internamente. Dois já fugiram do barco, quantos mais fugirão? E porque não falam sobre isso? E porquê é que a comunicação social apenas fala de Vieria-Veiga? Porque não fala da guerra no Conselho leonino? Falem vocês….

segunda-feira, março 14, 2005

o campeonato da mediocridade

este é um dos piores campeonatos de sempre – daqui sairá um dos piores campeões de sempre. o sporting desceu, também, a um nível de mediocridade insustentável: tem menos 16 pontos que há um ano, decorridas as mesmas 25 jornadas. o que daria, de caras, para ser campeão na mini-liga desta época…

mas a este nível medíocre desce também “la famiglia”. os portistas não resistem à mistura explosiva que é a saída de josé mourinho e a entrada em cena do “apito dourado” – este “cocktail” é letal para o clube de reinaldo teles e suas casas de alterne. há um ano, “la famiglia” somava mais 20 pontos à 25ª ronda.

mas há quem mantenha o nível. de mediocridade, fala-se. a instituição está igual ao que sempre foi, medíocre – dá-se bem na lama e em campeonatos menores. por isso, mantendo o nível muito por baixo – apresenta apenas menos 3 (três) pontos que no campeonato passado em 25 jornadas. ou seja, a instituição mantém a sua caminhada regular de vulgaridade e está a beneficiar com a anormalidade competitiva dos dois grandes: sporting e “la famiglia”.

aliás, não é só a instituição – neste lote de equipas menores encontram-se marítimo (-2), nacional (-6), moreirense (-5) ou gil vicente (-5). pior: o v. guimarães há um ano estava no 16º lugar – este ano está no sexto posto com acesso à uefa!

esta não é a superliga – esta é a liga dos amigos da instituição. só não dá para descontar no irs…

post – os 48 pontos (à 25 jornada) do primeiro classificado do pobre campeonato português é consideravelmente mais baixo do que todos os apresentados pelos outros líderes nas épocas anteriores. as contas estão mesmo a ser feitas por baixo – mesmo que a instituição ganhe todos (TODOS) os jogos até final e some mais 27 pontos terminará a prova com 75: o número mais baixo dos últimos nove campeões nacionais…

post II – e mesmo assim, à instituição foi preciso o apoio indispensável da apaf e da liga de clubes (aqui o “apito dourado” ainda não chegou). se contabilizados os assaltos ao estoril, sp. braga, rio ave, v. guimarães, etecétera, então… o nível do actual líder desta mini-liga desceria a uma académica ou beira-mar fora da europa como é seu costume.

post III – vamos esperar por setúbal e ver se os sadinos se apresentam ao nível desta ou da última temporada…

domingo, março 13, 2005

Mais uma vitória do Menino Guerreiro....

"Senti-me muito bem, não tenho dores."

Foi com alegria, satisfação e alguma loucura que alguns benfiquistas ontem no estádio da Luz viram a entrada de Mantorras a titular na equipa encarnada.
Essa mesma alegria, satisfação e loucura foi ainda maior, a dobrar, triplicar, ou quadruplicar, quando o menino guerreiro (este sim, é o menino guerreiro, não o outro) marcou aquele fantástico golo em direcção ao Topo Sul, onde tenho o prazer de me sentar.

A vitória de Mantorras é vista por todos os desportistas, como a vitória do querer, da raça, da força de alguém que passou pelas maiores adversidades desde que viu a luz do dia.

Primeiro nessa terra distante, chamada Angola, onde com os pés descalços percorria as ruas de Luanda, em busca de comida para matar a fome, e para nos intervalos, poder no seu Sambizanga, demonstrar aos amigos que estava ali um grande jogador.

Mas, a luta que Mantorras tem combatido nos últimos anos, não é, nem de perto nem de longe, diferente da que combateu enquanto casula. A vitória que tinha começado a ganhar contra o Boavista, voltou a vencê-la ontem na Luz, perante o seu povo, aquele que sempre o acarinhou e acreditou que seria possível a sua reabilitação.
O seu outro povo, aquele que sonha com o seu regresso à selecção, veio para a rua e encheu as ruas de Luanda a festejar mais um golo do seu menino, a festejar mais uma vitória do seu guerreiro preferido.

“Não eram adeptos. É um adepto que desde o primeiro jogo está atrás de mim e não tem sido nada simpático. Como ele é assim, eu também não sou simpático para ele. Disse-lhe que no fim do jogo lhe podia explicar algumas coisas sobre futebol.”

Trapattoni não resistiu ontem a um puxão de orelhas, ao tal adepto que o chateia durante todos os jogos na Luz. E permitam-me que diga com razão. O tal adepto que o insulta durante os 90 minutos, é o mesmo, que festejou efusivamente os belos golos marcados ontem na Luz, é o mesmo que amanhã estará a gozar com os adeptos dos rivais, e provavelmente a dizer que já não vê ninguém em cima dele. É o mesmo que o ano passado, a esta altura, estava em terceiro lugar com o título arrumado, e á procura de conseguir uma classificação para a pré da Champions.

Podemos não gostar do estilo e da forma de jogar do Benfica de Trap, mas a realidade é que o tal a quem chamam de senil, que não pode treinar em Itália, que está na reforma, conseguiu a nove jornadas do fim, colocar um Benfica com jogadores medianos, a lutar pelo título e a caminhar serenamente em busca desse objectivo.
Nunca fui um crítico de Trap, posso por vezes, considerar que errou nalgumas substituições, e noutras teve uma equipa que não acompanhou a sua filosofia de jogo. Mas sempre o disse, é um grande treinador.

Não tem uma equipa com estofo europeu, é verdade, mas não será mais importante, por ora conquistar o tal título que foge aos benfiquistas há 10 anos?

A queda de um "anjo"

Para que fique claro logo de início é evidente que o anjo entre ásperas se chama Pinto da Costa.
E o título tem como principal objectivo determinar as razões que levam às grandes alterações de um fc porto ao longo dos tempos.

Desde que o Porto se constituiu em SAD que a força de Pinto da Costa foi escoando pelos seus dedos, e que a sua capacidade de mandão na estrutura portista foi desaparecendo perante a mesa da administração portista.
E tudo isto aconteceu apenas porque havia mais gente a mandar, e principalmente mais gente a querer apenas ganhar dinheiro.
Essa transformação portista teve como primeiro sinal o campeonato seguinte ao penta, quando Fernando Santos não conseguiu ganhar o mesmo, nem mesmo com jardel na sua frente atacante (Aliás, o engenheiro foi o único treinador que não conseguiu ganhar um campeonato com Jardel, em forma claro).

Essa transformação apenas se conseguiu mascarar com a vinda de Mourinho para o porto, e hoje, podemos com toda a certeza afirmar que estivesse Mourinho noutro clube grande, que conseguiria provavelmente os mesmos feitos alcançados no porto.
Hoje, o problema do Porto não é o fantasma Mourinho, mas sim, a falta de orientação de uma administração que se deslumbrou com os rios de dinheiro que entraram na torre das Antas e se puseram a esbanjá-lo com jogadores novos, brasileiros e outros à procura de novos tempos nas suas carreiras.
Se considerarmos que a equipa estava feita, e que apenas saíram dois dos seus mais influentes jogadores, e posteriormente outros, que podiam ter saído mais, aliás uma das muitas razões de falta de produção de alguns jogadores, foi incompreensível a contratação de uma quantidade de jogadores, de qualidade duvidosa, e nalguns casos, contratações feitas apenas para não irem para os adversários directos.

Mas voltemos ao título e a Pinto da Costa. Sempre foi considerado, por si mesmo diga-se, um “anjo”, que todos estavam contra ele, que os títulos que conquistava era sempre contra um estado, que era um homem sério, e que não compreendia porque lhe fechavam as portas da cidade, como Rio o fez, que todas as suspeições não passavam de balelas, ele na imagem dos portistas, sempre foi o “anjo” injustiçado, até que o edifício da seriedade e honorabilidade começou a desmoronar no ano transacto.
Para muitos a falta de poder deve-se às suas alterações em termos de vida pessoal, por onde não entrarei, para outros a sua avançada idade, que também não considero como factor primordial.
O problema é que Pinto da costa, perdeu a sua capacidade “ditatorial” perante os jogadores, a tal capacidade que fazia que muitos jogadores que militavam antes noutros clubes chegassem ao Porto e vingasse de uma forma extra-humana.
Perdeu também a capacidade de influência quando se deslocava para o banco de suplentes, influenciando equipa e árbitro. E eis, outra das razões para a queda do “anjo”, a célebre história “apito dourado” que colocou Pinto da Costa no banco dos arguidos, e quebrou a desmistificação da sua capacidade de influência sobre a arbitragem, e para seu desespero, quebrou para a verdade que há muito se falava neste país à beira-mar plantado.

Os 4-0 que o Nacional impôs no estádio do ladrão nesta sexta-feira, fez história, porque foi a primeira grande goleada de Pinto da Costa como presidente, porque o Porto não perdia assim há 30 anos, porque o Porto mantém a sua cruz em casa e continua sem ganhar há mais de três meses.

Este pode realmente ser o ponto de viragem na vida do Porto, e a consequente “queda da cadeira” do todo-poderoso Pinto da Costa.

Post I – Pela primeira vez, vimos no Porto os adeptos a quererem entrar em campo para bater em alguém.

Post II – A forma como Costinha virou as costas ao jogo, após o terceiro golo do Nacional, caminhando em direcção aos balneários, demonstra como Costinha não está satisfeito e triste por não o ter deixado ir embora.

quinta-feira, março 10, 2005

galácticos de alvalade

somos nós sporting allez!

faltam seis jogos - quatro em alvalade para a conquista da uefa.

a final da prova, essa, joga-se em casa - a concurso foram também os estádio do ladrão (da "famiglia") e o alguidar da luz (da instituição), mas o organismo máximo para o futebol na europa optou, mais uma vez, pelo melhor estádio...

em middlesbrough mais um grande jogo do sporting - é o MAIOR. portugal está representado, novamente, a verde-e-branco. em vez do hino "a portuguesa" devia ouvir-se a "marcha do sporting" por esse mundo fora. depois do "show" em roterdão frente ao campeão da uefa em 2002 (o feyenoord caiu ante os sportinguistas com mais uma exibição de sonho dos portugueses), seguiu-se "só" este "vulgar" middlesbrough: impressionante a personalidade destes "leões". a vitória por 3-2 só peca por escassa - e sofrer dois golos nos últimos dez mintos só por causa da receita do jogo da segunda mão em alvalade é altruísmo...

o middlesbrough fc teve duas derrotas esta temporada no riverside stadium e ainda não tinha perdido em casa nas provas da uefa - só manchester united (de "sir" alex ferguson) e chelsea (de josé mourinho) tinham ganho naquele estádio. à lista acrescenta-se, agora, o sporting (de josé peseiro). venha o cska...

galácticos de alvalade.

custódio, carlos martins e beto não jogaram - mas o sporting foi assombroso e continua ser um pesadelo para qualquer adversário que não tenha a protecção da apaf, do cunha leal ou das casas de alterne...

venha o estrela da amadora na próxima eliminatória...

post - justifico esta ausência no "off-siders"por falta de tecnologia em minha casa. agora, com um computador novo em folha à minha disposição, deixo de ser um info-excluído e passo a ter nas mãos uma arma sportinguista quase tão letal como liedson o é dentro de campo.

post II - e eis o sporting pronto para a "dobradinha". de bom grado trocava a taça uefa pela fruteira e ir à reboleira jogar o acesso ao jamor - paciência, contentar-me-ei com um miserável newcastle no pequeno e amorfo estádio saint james park e falho, com comiserável dor, a imponência do josé gomes, na amadora.

post III - os festejos dos benfiquistas na taça da fruteira lembram a festa que as equipas sul-americanas fazem quando vencem a taça toyota (intercontinental) - ninguém liga nenhuma àquilo aqui na europa, mas os rapazes lá se fartam de pular de alegria... idênticos, os festejos terceiro mundistas dos adeptos da instituição na prova que é a sua cara (a fruteira fica bem a qualquer merceeiro, numa competição secundária dedicada a equipas de segundo plano...).

post IV - a pusilanimidade dos benfiquistas chega a meter pena. quem vão assaltar este fim-de-semana?

quarta-feira, março 09, 2005

A piada do momento em Inglaterra

Arsene Wenger, Alex Ferguson, and Jose Mourinho all perish in a plane crash and went to meet their maker.
The supreme deity turned to Wenger and asked, tell what is important about yourself.
Wenger responded that he felt that the earth was the ultimate importance and that protecting the earth's ecological system was most important.
God looked to Wenger and said, " I like the way you think, come and sit at my left hand".
God then asked Ferguson what he revered most.
Ferguson responded that he felt people and their personal choices were mostimportant.
God responded, "I like the way you think, come and sit at my right hand".
God then turned to Mourinho, who was staring at him indignantly. God asked "What is your problem Mourinho?" Mourinho responded " I think you are sitting in my chair".

terça-feira, março 08, 2005

Eu Show Mourinho...

O jogo tinha iniciado e como apreciador do futebol esperava uma grande jogo, mas esperava ainda, a vitória do homem dos mind games, Mr. Mourinho.

Começava o jogo, e aos cinco minutos e pela forma como o Chelsea tinha entrado, afirmei para quem via o jogo comigo, que se o Chelsea marcasse nos primeiros 15 minutos, íamos ter M de Massacre, M de Mourinho. E menos três eram pouco.
Ouviram e gozaram comigo, como seria possível o Chelsea marcar três ao Barcelona.
Pois é, mas….
Aos 20 minutos o Chelsea ganhava por três e foi o Chelsea no seu melhor, foi um Chelsea que nunca tinha visto, foi um Chelsea demoníaco, avassalador, aterrorizante, foi uma equipa à Mourinho.

Mas, como do outro lado estava também uma grande equipa o Barca equilibrou, e conseguiu pôr em sentido o Chelsea, tendo até aos 76 minutos de jogo a eliminatória na mão.
Permitam-me apenas que considere que o penalty assinalado a Paulo Ferreira, na minha modesta opinião não existe, o mesmo não se podendo dizer de outro, ali para os lados de San Siro.

Foi um grande jogo este Chelsea – Barcelona, foi um hino ao futebol, foi uma verdadeira loucura, a segunda parte ainda melhor, porque as oportunidades dividiram-se e ninguém conseguia prever o vencedor.
Foi uma grande final antecipada.

Venceu o melhor do Mundo, venceu Mourinho, e como seu apreciador, fico muito satisfeito pela vitória da sua equipa.

Depois do jogo de hoje, penso que posso afirmar com toda a convicção que o Chelsea vai vencer a Champions, e Mourinho finalmente vai poder festejar à sua maneira, como hoje o fez em Stamford Bridge, sem os fantasmas dos Super Bicho imaginário.

Post I – Que show de bola deram Káká, Gattuso, Pirlo e o tal a quem chamam de bluff, Rui Costa. Que grande jogo do maestro.

Post II – O único campeão da Champions inglês (como diz o Zé, mas que não é), perdeu hoje em San Siro e esteve à espera dos 10 minutos finais para meter um avançado. Por favor, rendam-se porque o José é mesmo do outro mundo, e não do terceiro.

Post II – Collina e o árbitro Herbert Fandel (Alemão) também erram. O melhor do mundo ajuizou mal no lance de Paulo Ferreira (intencionalidade de costas?), o Alemão (provavelmente afectado com o apito lá de casa, que mais tarde falarei) não viu Keane tocar mais de três vezes na bola com a mão. Será que precisava de a levar para a casa, para ser penalty?

Post III – Quando se fala em não existirem portugueses no Mundial de 2006, parece que não é só no país do apito dourado, que se cometem erros.

Post IV – A avalanche goleadora do Lyon foi esta noite estrondosa. Quem irá parar estes meninos, que estão bem diferentes (para melhor, diga-se) daquele que defrontou o Porto o ano passado?

Pedem-se explicações leoninas...

O meu caro amigo travassos que ainda deve estar a respirar do tal luto que anda por aí apregoar, tendo realmente estado calado, e pelo que sei, não foi do pastel de Belém, porque pelo que sei nem é um apreciador nato.

Durante a semana, a verdadeira colónia leonina que por aqui escreve, falou de lutos, de penalties, de vergonhas, mas o que realmente eu gostaria de saber, é a opinião que tão ilustres sportinguistas, têm a dizer de duas coisas. A primeira é evidente referente à derrota da melhor equipa do Mundo (nas suas palavras, claro), frente ao Belenenses, esse verdadeiro caça-gigantes (o Porto passou porque o Lourenço tropeçou, diz o árbitro!), que não espetou quatro ao Sporting porque não estava para aí virado.
Mas, o que conta é que quatro ou um, vai dar ao mesmo, três pontos perdidos.

Em segundo lugar, gostaria de saber o que os meus amigos têm a dizer sobre a verdadeira loucura que foi o último conselho leonino, onde parece que têm assento uns certos fundamentalistas, que ainda por cima, vêm para a televisão muito magoados com o Alzheimer da Cunha.

Era bom, que a falange leonina, em vez de se preocupar em discutir, um assunto tão pouco sério, como é a conquista da fruteira (apesar de a desejarem), ou dos penalties que ficaram por marcar, falassem de mais um bom momento na gestão de Peseiro, que fez as duas substituições mais idiotas de todo o campeonato.
É porque se o outro é senil, não sei o que deveremos chamar ao alentejano que não percebe que sem Custódio não há colectividade que resista.

Post I – Já sei que vão falar do penalty na Madeira. É penalty! Mas reparem que só há quinta repetição é que os comentadores da Sportv conseguiram vislumbrar tal lance. É obra!

Post II – Sabem quem foi campeão quando um presidente de um clube gritaria a plenos pulmões que o futebol português estava de luto? E que fez a sua equipa jogar até ao fim com faixas negras? Parece que até as faixas de campeão eram negras….

Post III – Reparem ainda que o treinador do Nacional vem dizer que o momento do jogo é o do penalty falhado, nem fala do primeiro. Travassos, como noutras ocasiões (vide) deveria ter colocado estas declarações.

Post IV – O falhanço de Adriano (oiço que nunca marcou de penalty) e o falhanço de Clayton em Penafiel são as estrelinhas de campeão dos líderes. A jogar mal, sempre pontuam. E prefiro ganhar a jogar bem, não tenho problemas em assumi-lo.

Post V – E prefiro um treinador a assumir que prefere ganhar, do que um que venha falar em posses de bola, remates, cantos e afins, mas que no fim levou o saco vazio para casa. São opções….

Post VI – Amanhã (Hoje) Mourinho vai mostrar porque é o melhor treinador do Mundo.

quinta-feira, março 03, 2005

Qual é a novidade?

Ainda não foi feia justiça.Um golo em fora-de-jogo e um penalti que ficou por assinalar! Assim se constroem as vitórias do autodenominado "glorioso". A exibição foi ao nível do que nos tem habituado e a segunda parte foi digna do catenaccio mais primário - lembre-se que estava a jogar com o último classificado. Com este jogo e com o empate no Dragão, o homem que está no banco deixou de ser velho e passou a ser outra vez a raposa. E digam-me, por favor, quantas pessoas estiveram na Luz? Mais do que as que estiveram na festa de encerramento do centenário? Afinal, quais são os estádios que foram feitos para estarem vazios? Pensava que a Luz era demasiado pequena para tantos milhões de adeptos... Ou é demasiado grande? Ou os adeptos não são assim tantos?

P.S. - Depois de ter estado à beira de ser expulso - tal como aconteceu com o Hugo Viana frente à instituição - safei-me ao sumaríssimo, tal como o anãozito, e vou continuar a derramar prosa neste espaço com mais frequência.

e o penalti do ricardo rocha?

três jogos. três eliminatórias. três roubos de igreja.

depois dos três penaltis assinalados em 90 minutos (!!!) contra a equipa amadora da oliveirense e do assalto ao sporting, eis que a instituição voltou ao seu melhor, qual trupe a fazer inveja aos irmãos metralha.

o golo fora-de-jogo de joão pereira segue na peugada dos de simão (completamente off-side no golo contra o rio ave...). o penalti do tamanho do mundo perdoado à instituição já vem dos anais da antiga banheira da luz. o treinador adversário sair dos confrontos com a instituição indignado é já um lugar-comum.

o penalti foi monstruoso. ricardo rocha fez a mancha e desviou a bola da baliza, no chão com o braço esquerdo. todos viram - a cara de rocha, envergonhado, dizia tudo. o fiscal-de-linha deve ter sorrido. lucílio, esse,

"o golo do benfica foi em fora-de-jogo, foi perdoado um penalti contra o benfica e miguel deveria ter visto o segundo cartão amarelo e ter sido expulso", declarações de luís campos no final do jogo.

post - não têm vergonha? nem um pingo dela? está bem que é uma competição menor, mas de colo em colo até à final lembra os piores tempos do clubezeco do ultramar...

luto

hoje é dia de luto nacional pelo futebol. a instituição, escandalosamente, ainda está na taça de portugal depois dos assaltos à mão armada à oliveirense e sporting – os golos de bruno paixão e de antónio costa mostram como está podre este país futebolístico. o sporting foi eliminado da prova por este último senhor da apaf.

este mesmo árbitro foi nomeado para apitar o jogo particular da selecção sub-21 – poucos dias após o roubo no alguidar da luz, como que uma benesse por parte da federação se tratasse (entraram uns quantos milhares para o seu bolso)... mais: não bastasse esta corrupção activa e vigente, ei-lo de novo, ele-antónio-costa, no “clássico” do porto. cedendo, no final de três meses, o cartão amarelo a simão.

simão estava há vários jogos no limiar dos cartões. nunca viu o amarelo porque não podia falhar os jogos importantes no “ciclo terrível” do clube. em braga foi um fartote – as entradas por trás foram punidas com um sorriso benevolente de paulo costa (o outro costa…). com o v. guimarães a cotovelada custou a simão o sumaríssimo menos sumário da história do futebol português.

simão jogou com "la famiglia" e vai poder jogar com o nacional. porque o castigo só vai ser avaliado depois de segunda-feira. qual é o antónimo de sumaríssimo?...

post – bruno paixão-assolapada-pela-instituição vai apitar o clube do seu coração na próxima jornada, na choupana…

post II – bruno paixão-assolapada-pela-instituição assinalou três penaltis contra a oliveirense no alguidar da luz (e expulsou dois futebolistas amadores…)

post III – 26 de janeiro de 2005 – o dia da infâmia no futebol.

Tudo uma questão de língua...

«Estava realmente uma senhora zangada, mas eu tenho dificuldade em perceber as pessoas, principalmente quando falam muito depressa. E, por norma, não reparo porque, por vezes, há a aproximação de adeptos, com injúrias, portanto normalmente não oiço.»

Trapattoni sobre a senhora que saiu do Bulhão e foi ao estádio do Ladrão.

quarta-feira, março 02, 2005

O empate: bom ou mau?

Caríssimos, perdoem-me a ausência [devia haver uma licença de mudança de casa, como há de paternidade e maternidade]

Foi melhor do que eu esperava o FC Porto-Benfica. Não teve a qualidade do jogo da Taça entre o Benfica e o Sporting, mas superou os “clássicos” FCP-SLB dos últimos anos.

O resultado é justo, atendendo ao número de oportunidades criadas pelas duas equipas.

Como o assunto já está um pouco batido, gostava só de salientar a curiosidade que me desperta o facto de os responsáveis do Benfica considerarem um bom resultado o empate no Dragão. Desde segunda-feira, o Benfica deixou de depender de si próprio para ser campeão. Como é que podem dizer que é um bom resultado? Só se estivessem à espera de ser goleados, como foi o Sporting…É claro que ainda falta muito campeonato e nada está decidido. Por mim, o Sporting tem um pouquinho de favoritismo. Apesar da irregularidade fora, é o mais seguro nos jogos em casa. Diria que o Sporting-FC Porto tem tudo para ser decisivo... se uma das equipas ganhar o jogo.

terça-feira, março 01, 2005

Um a Um

O Benfica esteve bem na defesa, Quim não compremeteu, não tem hipóteses no golo, mas também não teve muito trabalho. Dos Santos mostrou que está uns furos acima de Fyssas, Rocha e Luisão mostraram que são a dupla de centrais do Benfica, e Miguel jogou até onde as pilhas deram, tendo sido culpado, a meias com Geovanni, no golo, quando as pilhas já estavam a acabar. Petit está estoirado e ontem viu-se, mas continua a ser um guerreiro, Manuel Fernandes não esteve tão bem ontem, Geovanni, marcou o golo, foi culpado no golo do Porto porque não recuperou e estava plantado no campo adversário, e Simão está a precisar de férias, não tendo mostrado nada. Pode ser que a pausa na Taça lhe faça bem. Assis esteve regular tendo tido a oportunidade de ter escrito a história do jogo de outra forma. Karadas foi voluntarioso, mas não chega. Nuno Gomes apenas permitiu o desequilíbrio na defesa do Porto, e falhou um golo, em que devia na minha opinião ter rematado de primeira. João Pereira deu estabilidade ao lado direito, e permitiu a Miguel descansar lá na frente.

O Porto teve em Baía a segurança inicial no jogo, em Jorge Costa a estabilidade, com algum nervosismo inicial, salvando o Porto de uma jogada em que Karadas se isolava para a baliza, Ricardo Costa mereceu a titularidade. Seitaridis secou Simão, se bem que também não é difícil nos dias que correm, e Nuno Valente foi culpado no golo do Benfica, depois de ter dado o golo a McCarthy. Costinha esteve alguns furos abaixo, Maniche ainda à procura da melhor forma, Diego tentou conduzir o jogo do Porto, mas não o conseguiu, Ibson, a melhor unidade do Porto no meio campo. Um jogo muito interessante. McCarthy regressou aos golos, mas falhou uma oportunidade de forma escandalosa, Postiga, ma aposta de Couceiro, a precisar de muito treino. Quaresma pouco de novo trouxe ao jogo, bem como Luís Fabiano.

Afinal até podiam ter ganho...

O clássico de ontem à noite foi um jogo razoável com uma arbitragem num patamar bem superior ao que muitos esperavam.
Mas falemos o jogo em si. O Benfica começou bem, entrou como há muito não se via, sem o tal medo que Mourinho tinha falado no dia anterior. Esteve bem nos primeiros 25 minutos, mas sem criar perigo à baliza de Baía, apesar de dois ou três remates de fora da grande área.
Depois, o Porto equilibrou sem nunca ter chegado aos patamares que o vimos fazer no ano transacto, ou já este ano, contra o Chelsea, e na primeira parte na Luz.
Frisar ainda, que a grande oportunidade da primeira parte é do Porto, com Postiga a fazer de central e a evitar o golo de Diego.

A segunda parte trouxe-nos um Porto mais aguerrido, com uma grande perdida de McCarthy, e depois o Benfica a perder duas grandes oportunidades, a primeira ao poste de Assis e depois o lance de Geovanni. De realçar, a atitude do brasileiro que podia pôr na rua Baía.
Então veio o golo do Porto e o Benfica conseguiu reagir, tendo feito o empate.
De realçar, as substituições de Trapp, acertadas diga-se.

Mas, o que fica do jogo de ontem, é um Benfica a jogar como equipa, tendo tido a melhor oportunidade dos últimos anos de ganhar no Porto. Faltou na minha modesta opinião, alguma falta de audácia, e se calhar aquela pontinha de sorte que protege os campeões. Mas, se calhar também podia ter feito mais para conquistar essa mesma sorte.

Acho interessante Couceiro vir falar de falta de sorte, ou de alguns virem falar da história do apito no golo do Benfica. Aliás, essa história, lembra-me uma outra, a da final da Taça dos campeões Europeus em que o Benfica perdeu com o Milan, e vieram todos se queixar do apito no lance do golo do Milan, tendo os jogadores parado porque achavam que o árbitro tinha considerado fora de jogo. Essa não cola!

Interessante ainda, a crítica acérrima que o Pôncio, não o Pilatos, fez ontem ao árbitro, no seu regresso ao comentário televisivo. Será que o homem pensava que ainda estava na conferência de há um mês onde distribuiu bolinhos e chá aos jornalistas?

Para finalizar, boa a arbitragem de António Costa, que conseguiu não expulsar ninguém, sem ter tido um lance mais duvidoso. Apitou muito, é verdade, mas também à que dizê-lo, os jogadores das equipas ajudaram e muito o trabalho do árbitro, situação que há muito não se via.
Caro travassos, não pode por isso, fazer mais uma das suas campanhas anti-costa que tanto gosta. Apesar de podermos discutir o lance de Simão na área do Porto, mas isso teríamos que discutir a intensidade, a tal que o Pôncio tanto gosta de falar.

Não estou contente com o empate, porque acho que o Benfica podia ter ganho o jogo, mas também não esperava um Benfica como o que vi ontem à noite. Em todo o caso, acertei no resultado, não acertando, e ainda bem, no empate das expulsões.

Post I – Couceiro ainda não trouxe nada de novo ao Porto, apesar de continuarem em primeiro, o que mostra o quanto o novo campeonato está nivelado por baixo.

Post II – A quantidade de petardos a rebentar ontem no Dragão. O que andam a fazer polícia e stewarts nos nossos estádios?

Offsides da Organizacao
  • Apaf
  • Assoc. Treinadores
  • FPF
  • Sindicato dos Jogadores
  • Jogadores em Offside
  • Beto
  • Cristiano Ronaldo
  • Helder Postiga
  • Luis Figo
  • Ricardo Carvalho
  • Rui Costa
  • Simao Sabrosa
  • Clubes em Offside
  • Beira-Mar
  • Belenenses
  • Benfica
  • FC Porto
  • Moreirense
  • Nacional da Madeira
  • Penafiel
  • Rio Ave
  • Sp. Braga
  • Sporting
  • Vit. Guimaraes
  • Offsides da Escrita Nacional
  • A Bola
  • Bola Branca
  • Mais Futebol
  • O Jogo
  • Record
  • Relvado
  • Sport Tv
  • TSF desporto
  • Zero Zero
  • Offsides da Escrita Internacional
  • As
  • Bundesliga
  • Calcio
  • Calcio Mercato
  • Don Balon
  • El Mundo Deportivo
  • Football 365
  • Four the Game
  • Futbol Me
  • Give me Football
  • Goal.com
  • Guardian
  • Libre Directo
  • Liga Espanhola
  • Marca
  • Planet Futbol
  • Premier League
  • Servi Futbol
  • Soccer Base
  • Soccer Spain
  • Sport
  • Tifonet
  • Outros Offsides
  • Adufe
  • Afixe
  • Aviz
  • Blasfémias
  • Bomba Inteligente
  • Blogame mucho
  • Blogotinha
  • Causa foi Modificada
  • Contra a Corrente
  • Doce da Avozinha
  • Do Portugal Profundo
  • Gato Fedorento
  • Ideias Soltas
  • Janela para o Rio
  • Jaquizinhos
  • Mar Salgado
  • Memória Virtual
  • No quinto dos Impérios
  • O Período
  • O Vento lá fora
  • Semiramis
  • O Tronco da Teia
  • Weblog
  • Em Offside

    Powered by Blogger

    Estou no Blog.com.pt